O museu não detém a propriedade de direitos autorais e não se responsabiliza por utilizações indevidas praticadas por terceiros. Saiba mais


Classificações:
Título:
A Berlinda / [...] Mappa da Europa - Fervet opus em 1870
Designações:
Litografia colorida

Cronologia:
1870

Nº inventário:
MRBP.GRA.1230
Medidas:

Altura: 412,00 mm

Largura: 505,00 mm

Descrição:
Terceira folha da série "A Berlinda", 1870. Representa-se um mapa caricato e alegórico da Europa (qual manta de retalhos ou puzzle), onde os diversos países surgem configurados por figuras humanas e animais, evocando características típicas ou problemas internos de cada Estado. Alusão à situação político-militar europeia e aos equilíbrios de força no continente, onde a supremacia da Alemanha bismarckiana se afirma. Diversas caricaturas de Bismarck e uma do imperador Napoleão III, além de Thiers. Igualmente caricaturados Mazzini e Garibaldi, bem como outros estadistas. Aqui, "quem domina é a Alemanha e, naturalmente, Bismarck. Portugal é um velho decadente, envolto por uma espanhola anafada e possessiva, empurrada pelo célebre orador republicano espanhol Emílio Castelar. O grande urso coroado é a Rússia, com uma poderosa pata assente na Turquia, enquanto a Grécia é um caranguejo agressivo contra o sultão balcânico. A Finlândia é gelo puro, a Polónia uma mosca, a Escandinávia um bacalhau desinteressante, a Dinamarca uma lagosta e a Inglaterra (a pérfica Albion) um marinheiro bêbado, trazendo a Irlanda à trela e vomitando esquadras. Em Espanha há uma luta pela coroa entre Afonso XII, os carlistas, Amadeu de Sabóia e o duque de Montpensier. Em Itália, os heróis da independência têm sortes diferentes; Mazzini dorme a norte e Garibaldi movimenta-se a sul. Na corte de Viena, Francisco José comanda um império atónito depois de ser derrotado por Bismarck em Sadova. Mas tudo se decide entre Napoleão III e o imperador da Alemanha, que se prepara para o devorar, como devora, sem dó nem piedade, os Países Baixos. O imperador dos franceses, esse recebe clisteres, enquanto Thiers lança uma pomba na direcção da rebelde Córsega. Bismarck é uma enorme aranha; e o equilíbrio europeu, com esse peso pesado, não existia mesmo...". Este último parágrafo foi transcrito, com algumas pequenas adaptações, de Guilherme de Oliveira Martins, "Uma Berlinda em Bolandas", in "Bordalo na Berlinda. Mostra documental", Lisboa, Biblioteca Nacional, 2005, p.10. Em rodapé, dezasseis quadras alusivas ao tema, assinadas por Micromegas (pseudónimo de Clemente dos Santos). Idêntica a MRBP.GRA.1178, 1228, 1229, 1231, 1232, 1233, 3127.

A carregar...

Museu Bordalo Pinheiro 2021
in web Acesso online à coleção Sistemas do Futuro